15 de jun de 2012

Rio+20: transporte de comitivas é feito com etanol de 2ª geração


Quarenta mini vans usadas para o transporte de comitivas que participam da Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, estão rodando com a segunda geração de etanol brasileiro, conhecido como E2G. O novo combustível é produzido a partir de resíduos de plantação de cana-de-açúcar. Na produção da primeira geração do etanol brasileiro a matéria-prima é a própria cana-de-açúcar. Mais de uma empresa desenvolve a tecnologia, mas a experiência usada na Rio+20 é resultado das pesquisas feitas pela Petrobras, que vem estudando a produção do novo combustível desde 2004. De acordo com o presidente da Petrobras Biocombustível, Miguel Rosseto, foram produzidos 80 mil l do E2G, usando cerca de US$ 70 milhões (aproximadamente R$ 140 milhões). O dinheiro é parte dos US$ 300 milhões (cerca de R$ 600 milhões) previstos para pesquisas em biocombustível. "Hoje o padrão de produção do etanol brasileiro é 8 mil l por hectare. Aproveitando o bagaço da cana-de-açúcar conseguimos produzir 11 mil litros por hectare. Alcançamos uma eficiência de 40%", explicou Rosseto. Os estudos apontaram um rendimento de 300 l de etanol por tonelada de bagaço seco. A escala experimental da Petrobras foi produzida em uma planta de demonstração localizada nos Estados Unidos. A previsão é de que em 2015 o etanol de segunda geração ganhe escala comercial, alcançando uma produção de 80 a 150 milhões de litros por ano. A estimativa da estatal é de que a garantia do novo combustível nas usinas signifique um investimento de US$ 150 milhões anuais (R$ 300 milhões). "As usinas para produção do E2G serão acopladas às usinas de primeira geração do combustível para garantir a eficiência energética na produção. Vamos produzir mais etanol com a mesma área plantada, usando a cana-de-açúcar e transformando o resíduo também em combustível", acrescentou Rosseto. De acordo com o presidente da Petrobras Biocombustível, o preço para o consumidor será o mesmo pago pelo etanol da primeira geração, usado hoje nos postos de gasolina. Rosseto explicou que todas as pesquisas estão voltadas para garantir esse custo equitativo e a estatal já está analisando os detalhes para implantação da usina do E2G. Até agora, as pesquisas para a produção do E2G no Brasil foram feitas apenas a partir dos resíduos de cana. A escolha considerou o volume desse cultivo no país, inclusive para garantir que, em três anos, a produção do E2G tenha matéria-prima suficiente para abastecer o mercado. Mas a produção pode envolver, no médio e longo prazo, outros resíduos de celulose, como a palha de milho, usada nos Estados Unidos. Fonte: Portal Terra

Nenhum comentário:

Postar um comentário