16 de dez de 2013

Acordo Novozymes-Raízen marca início da produção em larga escala de etanol celulósico no Brasil

As tecnologias para a produção do etanol de segunda geração (2G) estão saindo da fase experimental e caminhando para a produção em escala comercial. A parceria anunciada entre a Novozymes e a Raízen para o fornecimento da tecnologia de enzimas utilizadas na conversão de materiais celulósicos em açúcares, uma das principais etapas do processo, é certamente um passo nessa direção, na percepção do consultor de Tecnologia e Emissões da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), Alfred Szwarc.

Uma unidade de produção de etanol 2G acoplada à usina Costa Pinto, em Piracicaba (SP), será uma das primeiras a produzir o biocombustível em larga escala no Brasil. Ela deve começar a operar no final de 2014 com capacidade para produzir 40 milhões de litros de etanol de segunda geração por ano a partir do bagaço e da palha da cana.

A Novozymes visa apoiar os esforços da Raízen na produção do celulósico, com o desenvolvimento da tecnologia enzimática para a produção do etanol 2G. Além disso, a empresa dinamarquesa tem interesse em estabelecer uma nova capacidade para a produção dessa enzima no País. Porém, ainda não há tamanho, localização e investimento definidos, o que vai depender do nível da demanda.

“Essa primeira planta desenvolvida por um dos maiores produtores de etanol de cana do mundo marca um passo importante na comercialização de etanol celulósico no Brasil," comemora o vice-presidente executivo de Desenvolvimento de Negócios da Novozymes, Thomas Videbæk.

Sobre as companhias

Formada em 2011 a partir da integração de partes dos negócios de Shell e Cosan, a Raízen é líder em energia renovável no Brasil e primeiro player totalmente integrado do setor sucroenergético, com atuação em todas as etapas do processo: cultivo da cana, produção de açúcar e etanol, comercialização, logística interna e de exportação, distribuição e varejo. Com 24 unidades, a Raízen produz 2 bilhões de litros de etanol por ano, 4 milhões de toneladas de açúcar e gera mais de 900 MW de energia elétrica a partir do bagaço da cana.

A Novozymes é uma multinacional de origem dinamarquesa da área de biotecnologia. Criada em 2000 após desmembramento da empresa-mãe Novo Nordisk, fundada em 1923, atua no mercado global de enzimas. Mundialmente, a empresa emprega mais de cinco mil pessoas e tem uma unidade industrial no Brasil, em Araucária, no Paraná.

Fonte: Unica

Nenhum comentário:

Postar um comentário