22 de nov de 2011

USP de São Carlos sediará centro de bionergia e sustentabilidade

“Polo TErRA – Pólo Temático em Energias Renováveis e Meio Ambiente”:

esta é a nomenclatura do núcleo de pesquisas em bioenergia que será sediado no campus II da USP-São Carlos, no âmbito do programa Núcleo de Apoio à Pesquisa em Bioenergia e Sustentabilidade (NAPBS), lançado em junho na ESALQ, e do Centro Paulista de Pesquisas em Bioenergia, com o objetivo de reunir especialistas de três universidades públicas do Estado de São Paulo (USP, Unesp, Unicamp) engajados em pesquisas relacionadas à geração de energia a partir de biomassa. Esta integração pretende estimular e articular pesquisas sobre biomassa e tecnologias de transformação em biocombustíveis, além de promover e aplicar o conhecimento gerado. De acordo com o coordenador geral do núcleo, também professor da ESALQ, Antônio Roque Dechen, o NAPBS pretende igualmente implantar um programa de pós-graduação interuniversidades em bioenergia e sustentabilidade. Atualmente, apesar de haver grande dedicação às áreas de biocombustíveis, energias renováveis e meio ambiente nos grupos de pesquisa das universidade públicas estaduais, o conhecimento mútuo da pesquisa realizada nestas áreas é dificultado em grande escala pela dimensão e dispersão geográfica das instituições. Nesta fase inicial da pesquisa estão envolvidos pesquisadores da ESALQ, do Centro de Energia Nuclear na Agricultura, do Instituto de Física de São Carlos, do Instituto de Química, do Instituto de Biociências, do Instituto de Ciências Biológicas, da Escola Politécnica, das unidades de Ribeirão Preto e da Escola de Engenharia de Lorena, todas unidades da USP. Estes grupos de pesquisa atuam nas mais diversas áreas relacionadas à bioenergia, que vão desde a agricultura e genética de plantas a impactos socioeconômicos e ambientais. Devido a esta complexidade de tópicos, o trabalho foi estruturado em seis principais eixos, que cobrem todas as etapas da produção de energia renováveis: "Produção de Biomassa", "Genômica Funcional", "Transformação da Biomassa em Biocombustíveis", "Morfologia e Composição de Biomassa", "Processos Industriais" e "Sustentabilidade". Esta estruturação permitirá um desenvolvimento coordenado de significativa relevância científica e econômica, além de maior produtividade e transferência de conhecimento para o setor produtivo. "Nós não queremos fazer apenas pesquisa básica", afirma Igor Polikarpov, docente do IFSC, vice-coordenador do NAPBS e dedicado integralmente às pesquisas relacionadas à degradação de biomassa. "Queremos também fazer pesquisa aplicada, que leve até a sociedade os benefícios daquilo que estamos fazendo", completa o pesquisador. Mais informações no site são carlos em rede.

2 comentários:

  1. Legal!
    Precisamos ser mais sustentáveis...
    Existe algum curso na USP de São Carlos voltado para Energias Renováveis? Se não tem, quando terá?
    Grato!

    ResponderExcluir
  2. Quando será criado o curso de Engenharia de Energia na USP?

    ResponderExcluir